sexta-feira, 19 de março de 2010

Arte Rupestre - 6º ano

video

DISCIPLINA: Artes – 6º ano do Ensino Fundamental
CONTEÚDO:
· Arte na Pré-História Brasileira
OBJETIVOS:
· Analisar a arte como fato histórico;
· Conhecer e interpretar a arte rupestre da Serra da Capivara-PI;
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:
· Estudar e interpretar a arte na pré-história brasileira, através de textos, imagens e vídeos, encontrados na Internet e que retratam o assunto.
· Retratar a arte rupetre encontrada na Serra da Capivara – PI , no caderno fazendo a releitura da gravuras;
· Reproduzir a arte rupestre em rochas trazidas pelos alunos.

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA

Arte rupestre, pintura rupestre ou ainda gravura rupestre, é o nome que se dá às mais antigas representações pictóricas conhecidas, as mais antigas datadas do período Paleolítico Superior (40.000 a.C.) gravadas em abrigos ou cavernas, em suas paredes e tetos rochosos, ou também em superfícies rochosas ao ar livre, mas em lugares protegidos, normalmente datando de épocas pré-históricas.
Na vida do Homem pré-histórico tinham lugar a Arte e o espírito de conservação daquilo de que necessitava. Estudos arqueológicos demonstram que o Homem da Pré-História (a fase da História que precede a escrita) já conservava, além de cerâmicas, armas e utensílios trabalhados na pedra, nos ossos dos animais que abatiam e no metal. Arqueólogos e antropólogos datando e estudando peças extraídas em escavações conferem a estes vestígios seu real valor como "documentos históricos", verdadeiros testemunhos da vida do Homem em tempos remotos e de culturas extintas.


Qualquer que seja a justificativa, a arte preservada por milênios permitiu que as grutas pré-históricas se transformassem nos primeiros museus da humanidade.



Arte Rupestre - Arte Primitiva


Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem a escrita, eles eram capazes de produzir obras de arte.

Características principais

O homem pré-histórico era capaz de se expressar artisticamente através dos desenhos que fazia nas paredes de suas cavernas. Suas pinturas mostravam os animais e pessoas do período em que vivia, além de cenas de seu cotidiano. Expressava-se também através de suas esculturas em madeira, osso e pedra. O estudo desta forma de expressão contribui com os conhecimentos que os cientistas têm a respeito do dia a dia dos povos antigos.
Além da arte pré-histórica vista no parágrafo acima, há um outro tipo de arte primitiva: a realizada pelos índios e outros povos que habitavam a América antes da chegada de Cristóvão Colombo. Os povos: maias, astecas e incas são representantes da arte pré-colombiana. A história destes povos é contada através de sua arte (pinturas, esculturas e templos grandiosos, construídos com pedras ou materiais preciosos). Nos dias de hoje também é possível encontrar arte primitiva; alguns exemplos são as máscaras para rituais, esculturas e pinturas que são feitas pelos negros africanos. Há ainda a arte primitiva entre os nativos da Oceania e também entre os índios americanos, que fazem objetos de arte primitivos muito apreciados entre os povos atuais.

Locais com pinturas rupestres no Brasil:
- Parque Nacional da Serra da Capivara em São Raimundo Nonato (Piauí)- Parque Nacional Sete Cidades (Piauí)- Cariris Velhos (Paraíba)- Lagoa Santa (Minas Gerais)- Rondonópolis (Mato Grosso)- Peruaçu (Minas Gerais)











A característica cultural mais importante dos grupos pré-históricos que ocuparam a região foi o desenvolvimento de um sistema de comunicação de caráter narrativo. As pinturas do parque apresentam uma variedade de temas e uma grande riqueza estética. São cenas do cotidiano que sugerem caçadas, danças, práticas sexuais e manifestações rituais.

Conjuntos gráficos com impressionante força narrativa de fatos cotidianos, como a caçada. Com grande movimentação, caçadores capturam suas presas pela cauda, enquanto outros preparam-se para abatê-las a golpes do que parecem ser bastões de madeira.
Série de figuras enfileiradas: algumas humanas, outras aparentemente humanas, adornadas com vestimentas que cobrem todo o corpo. Sugere tratar-se de uma cena cerimonial.
Figuras são detalhes de uma cena mais ampla: a caçada de um tatu. O tamanho do animal em relação à figura humana sugere a possibilidade de se tratar de um tatu gigante – o Pampatherium humboldti –, animal extinto por volta de 10 mil anos.
As aves da região também povoavam as pinturas rupestres. A cena retrata em detalhe duas aves, hoje extintas, representantes da micro-fauna que ocupou a região. Chama a atenção o geometrismo das formas usadas.
Cena de ritual com grande movimentação. Inúmeras figuras humanas dançam livremente, algumas agitam ramos, enquanto outras dançam ao redor de uma árvore.Figuras como essa são bastante comum nas paredes do parque. Chamada pelos especialistas de componente "emblemático", aparece freqüentemente nas pinturas, quase como um "logotipo" da tradição cultural nordeste, nome que se dá às características culturais dos grupos humanos que ocuparam a região por volta de 12 a 6 mil anos antes do presente.

Alunos retratando a arte Rupestre no caderno











A arte rupestre reproduzida em rochas trazidas pelos alunos












Bibliografia consultada:

Bello,Maristher Motta. Arte Ensino Fundamental.I, Curitiba: Posigraf, 2007.
http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=45
http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/arterupestre/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Arte_rupestre
http://www.fumdham.org.br/pinturas.asp

sexta-feira, 5 de março de 2010

Pop Art - 9º ano


POP-ART


Movimento principalmente americano e britânico, sua denominação foi empregada pela primeira vez em 1954, pelo crítico inglês Lawrence Alloway, para designar os produtos da cultura popular da civilização ocidental, sobretudo os que eram provenientes dos Estados Unidos.